Amigo carteiro

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Marcela Munhoz

Nas últimas colunas abordei temas mais sérios, como a urgência dos atendimentos gratuitos para animais, e mais pesados, como maus tratos – você pode ler os textos no site www.diaadiarevista.com.br. Não que não sejam assuntos de extrema importância, porém gosto quando posso contar exemplos de fofura, carinho e respeito em relação aos bichinhos de pessoas comuns, como eu ou você. 
 
Antes de detalhar a história do carteiro Angelo Antunes, 34 anos, de Guaratinguetá, é essencial ressaltar que, no dia 9, foi aprovado pela Câmara dos Deputados e pelo Senado o Projeto de Lei 1.095/2019. O item aumenta a pena de reclusão de 2 a 5 anos quando se tratar de violência contra cães ou gatos, além da proibição da guarda dos animais. No dia 28, o presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei, o que foi muito incentivado pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro.
 
 
Trata-se de grande vitória, porém a luta está longe de terminar. As denúncias de violência contra animais em São Paulo tiveram aumento de 81,5% de janeiro a julho de 2020, em relação ao mesmo período do ano passado. Foram cerca de 4.800 registradas, de acordo com levantamento feito pela agência Fiquem Sabendo, por meio da  LAI (Lei de Acesso à Informação). Estão inclusas denúncias  da internet. Muitos crimes são divulgados em aplicativos, como o Tik Tok. Vale lembrar também das barbaridades que estão acontecendo no Pantanal com o recorde de queimadas e mortes de milhares de espécies da fauna brasileira. É muito triste!
 
Ainda bem que existem pessoas como o carteiro Angelo. O trabalho que ele faz com o resgate de animais e também o carinho com que registra selfies com os bichinhos que encontra pelo caminho são lindos de se ver. A história viralizou na internet. “Amo os animais desde criança. Sempre escutei que carteiros não se davam bem com os cachorros, e vice-versa. Mas sou determinado a provar que isso não é verdade. Aos poucos eles vão interagindo, chego conversando. Eles se sentem tão tranquilos que consigo me aproximar, tirar foto, fazer vídeo. É muito gostoso ter esse contato, ser bem recebido. Quando me enxergam no começo da rua alguns já correm para encontrar comigo. Essa relação depende muito dos seres humanos, como os tratamos”, acredita.
 
O amor pelos animais vai além do dia a dia de trabalho do Angelo. “Comecei a fazer amizade com os protetores de Guarantiguetá e o aumento de seguidores nas minhas redes sociais – hoje são quase 94 mil só no Instagram (@carteiroamigodosanimais) – me ajudou muito a conseguir cuidar dos bichinhos. Também faço bingo, rifas, vendo quadros, tudo para salvar as vidas deles”, conta. Angelo tem cinco cachorros e quatro gatos, todos resgatados. A história que mais o emociona é do Rajado, vira-lata que estava em péssimas condições quando foi encontrado e agora é um dos ‘filhos’ do carteiro. “Graças a Deus tenho conseguido mudar o destino de muitos.” 



Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2020. Todos os direitos reservados