O homem vitruviano

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Vinícius Castelli

Rodrigo Hilbert, apresentador do ‘Tempero de Família’, da GNT, é considerado perfeito, não só pelo aspecto físico, mas também por suas atitudes.

O ano era 1490 quando Leonardo da Vinci (1452-1519) desenhou o homem vitruviano. A obra, que se tornou icônica –  um homem nu, com os braços e pernas abertos em diferentes posições simétricas – representa o ideal clássico do equilíbrio, da beleza, harmonia e perfeição das proporções do corpo humano. Uma realidade, portanto, difícil de se achar em materializado, certo? Em partes. Há uma figura pública que talvez pudesse se encaixar no tal esboço do artista italiano e atende pelo nome de Rodrigo Hilbert. 

É que aos olhos femininos, o catarinense da cidade interiorana Orleans é exatamente a idealização do cara perfeito. Divide as tarefas da casa com a mulher, Fernanda Lima –  com quem convive há mais de uma década  –, é o sujeito que cozinha, cuida da saúde, é amoroso, que sabe que lavar louça é tarefa para qualquer um, inclusive para os homens – o que ajuda a quebrar um pouco do machismo enraizado na sociedade brasileira –, que trata da mãe com carinho, faz crochê, constrói suas panelas. É pai para toda obra. Mas o mais importante: é a representatividade, para muita gente, daquela pessoa que trata todos com respeito, de igual para igual, que não deixa a família de lado por nada e faz o que ama, com muito carinho e dedicação.

Modelo que também estampou a capa de diversas revistas famosas, é figura que passou a ser conhecida pelo grande público, principalmente por seus trabalhos em novelas, como América (2005) e Morde e Assopra (2011). É companhia de muitos telespectadores, hoje em dia, por meio do programa Tempero de Família, exibido no canal pago GNT. 

Hoje tem o tempo dividido entre o Brasil e a Califórnia, nos Estados Unidos, onde mora com a mulher e os filhos João e Francisco. A mudança de ares e residência, aliás, se deu pela escolha de os filhos terem uma vida longe dos holofotes, em que possam andar nas ruas com tranquilidade e terem acesso a uma educação de qualidade. Tanto que os filhos participam das rotinas domésticas. A ideia é que tenham, de fato, uma vida real, mais distante da fama dos pais, proporcionada no Rio de Janeiro. 

Rodrigo não dispensa duas coisas para mostrar seus talentos gastronômicos: um belo sorriso no rosto e muita simplicidade. O gosto pela gastronomia aconteceu quando o catarinense era pequeno, com a família sempre reunida para as refeições. “Foi na minha infância em Orleans, Santa Catarina, que surgiu essa paixão. Cresci vendo minha mãe, vó e tias reunidas na cozinha”, diz à Dia-a-Dia Revista. Prestes a completar 39 anos – no dia 22 deste mês –, o que o artista, que saiu de Santa Catarina rumo a São Paulo aos 18, sozinho e carregando pouca coisa, nem imaginava é que faria disso um modo de vida.

O trabalho de Rodrigo, aliás, vai muito além de cozinhar. Ele se reinventa constantemente. Tanto que, no ano passado, passou a se dedicar também à ferraria, arte que herdou de seu avô, e construiu vários dos instrumentos utilizados no preparo das receitas de churrasco que apresentou ao longo dos episódios. Arrancou suspiro de todos.

Em seguida, para aproveitar o último verão do Rio de Janeiro, gravou episódios em que se debruçou em receitas para preparar peixes e frutos do mar. Quem viu pôde aprender técnicas de limpeza de peixes, moluscos e mariscos, além de tomar nota de várias maneiras de se cozinhar tudo isso. Assado, frito, ensopado. O apresentador, ao longo das temporadas, fez de tudo. Já chegou em vilarejos escondidos dirigindo uma Kombi, interagiu com pescadores, e até usou sua cidade de origem, Orleans, para reviver as raízes e contatar produtores locais.

Rodrigo, aliás, acaba de estrear a 14ª temporada da atração. Desta vez ele usa como cenário a região de Visconde de Mauá, no meio das montanhas do Rio de Janeiro. Segundo ele,  a novidade é a tranquilidade do cenário. “Hoje, com o tempo tão corrido que temos, fomos buscar em Visconde de Mauá a paz. Conversamos com várias pessoas que saíram da cidade grande e reinventaram suas vidas no campo em busca de paz e mais qualidade de vida”, revela.

Ele conta que o Tempero é um programa pensado e produzido por muitas cabeças. “Até ir ao ar são muitas reuniões, muita pesquisa e muitos testes de receitas. Fazemos tudo com muito carinho, esperando sempre algo novo e divertido para o nosso telespectador. Cada episódio gravado é um aprendizado e um dia bem vivido”, afirma. 

O envolvimento do apresentador com o programa é total. Tanto que ele participa de todo o projeto, até mesmo pensar como será a temporada, onde será filmada, por exemplo. “Discutimos as pautas, do que queremos falar ou mostrar, do que sentimos falta. Depois das pesquisas e projetos pré-aprovados, mergulhamos no universo da temporada que vamos rodar”, diz, animado. 

E quando se fala da simplicidade de Rodrigo é sobre o tratamento com as pessoas. Nos programas trata os convidados, que geralmente são pessoas comuns e desconhecidas, com muito carinho e respeito. Como amigo de longa data. Além disso, com ele não tem toque blanche (aquele chapéu branco e comprido usado por chefs de cozinha) ou ingredientes difíceis de serem encontrados. 

E isso é visto até mesmo nas receitas a optar por caminhar na contramão da cozinha gourmet. Rodrigo mesmo lava os ingredientes, corta, prepara tudo como se estivesse na cozinha de sua própria casa, algo mais roots (raiz). “Não diria roots, mas tradicional. Veio de família, das receitas da minha avó, e do que aprendi com ela”, explica.

Além do Tempero, Rodrigo diz trabalhar com outras coisas. “Um monte”, frisa, sem especificar o quê. “Mas que vai ao ar, só o Tempero”, brinca. Uma delas, aliás, pode ser vista e comprada nas livrarias. O apresentador lançou dois livros. O primeiro deles, As Deliciosas Receitas do Tempero de Família, ilustrado por 49 pratos apresentados no programa. Em seguida veio As Deliciosas Receitas do Tempero de Família 2, com 70 sugestões. Entre eles estão entradas, saladas, doces, sobremesas e pães, por exemplo. 

Além da televisão, Rodrigo estampa seu sorriso em sua conta no Instagram, que hoje soma quase 3 milhões de seguidores. Ilustra o espaço com diversas cenas de seu dia a dia. Além do trabalho, ele aparece andando de bicicleta, com posicionamentos políticos, abraçado com cachorro, junto da mãe, Suzete, em cliques da juventude e, é claro, sua família. 

Para a mulher, não pensa duas vezes ao registrar declarações de amor, o que arranca suspiros de seus seguidores. Uma delas, inclusive, ao apoiá-la após Fernanda ter sido atacada virtualmente. O fato aconteceu no período das eleições presidenciais, após ela fazer um discurso empoderador em seu programa na Globo, Amor & Sexo. Até um famoso, o cantor sertanejo Eduardo Costa, gastou seu tempo para atacar a apresentadora na internet. Rodrigo, pouco depois, usou seu Instagram e publicou seu apoio à amada: “O amor que eu tenho para você é maior do que todo ódio do mundo”, escreveu.

Mas quando o  assunto é comida, a paixão de Rodrigo vai além do que é apresentado nas telas. Tanto que, em casa, o apresentador garante que quem cuida do fogão é ele. Sorte da Fernanda e dos filhos. “Cozinhar é arte e paixão. E acho que prática também”, explica. E o que mais gosta de comer, Rodrigo?’ “Difícil dizer. Gosto de cozinhar tudo. E comer também”, responde. Mas quando a pergunta é: Além da cozinha, o que mais você gosta de fazer?, a resposta é certeira. “Construir, criar coisas com a arte da ferraria. Praticar esporte é constante na minha rotina também. Mas o que mais gosto mesmo é de estar com minha família e meus amigos. Passar o tempo juntos, bater papo, rir de bobeiras, cozinhar rodeado por eles.  É a minha grande paixão”, encerra.

O ator era Murilinho Gouveia, em uma de suas primeiras novelas, 'América', de 2005.

 

Rodrigo fez par romântico com Bárbara paz em 2010, na novela 'Viver a Vida', de Manoel Carlos




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2019. Todos os direitos reservados