Iluminação e os toques personalizados para cada ambiente

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Vanda Moura

Projetos podem oferecer opções que mesclam efeitos em lustres, spots e arandelas

Definir como será a iluminação de casas, apartamentos e escritórios requer projeto tão detalhado e especial quanto os que são destinados à construção e ao acabamento dos ambientes. Muitas são as particularidades nesse aspecto, pois podem ser de foco luminoso direcionado ou de amplitude para todo o local. Por isso, cuidados devem ser tomados para que não se tenha apenas belos mobiliários e cores diferenciadas, sem uma luz que ajude na valorização dessas escolhas e, muito menos, na efetiva boa iluminação.

Geralmente, a luz fria é indicada para áreas de trabalho, cozinhas e banheiros, enquanto as quentes, nas quais podem-se incluir os spots, por exemplo, são recomendadas para ambientes de descanso, pois induzem ao recolhimento e ao aconchego, como quartos e salas. Por essa razão, especialistas orientam que o apelo estético de luzes e luminárias deve se sobrepor apenas quando se deseja que uma ‘peça’ seja o centro das atenções.

Para salas de estar, os lustres sempre são os mais indicados, pois direcionam a iluminação para cima ou para os lados. Para locais escolhidos para leitura, são indicadas as luminárias pontuais, com fachos de luz direcionados, colocados sobres mesas laterais aos sofás e poltronas.

Em estilo semelhante a esse tipo de ambiente, seguem as ideias de iluminação para quartos, que podem ter uma peça que forneça uma única luz para todo o espaço, causando excelente efeito, como, por exemplo, as luminárias do tipo plafon (em formato de prato). Também podem ser espalhados spots por alguns lugares, que oferecem aconchego, descanso e direcionam a luz, além das arandelas direcionáveis em painéis atrás da cama ou as luminárias direcionáveis sobre os criados.

Já nos projetos de cozinha, as luminárias de luz são muito usadas, podendo ser encontradas em vários tamanhos, e embutidas em forros de gesso. Platons ou pequenos spots em alguns lugares podem ser usados também nesse ambiente.

O proprietário da loja Relustres, de São Bernardo, Walter Luiz Moreira Couto, reforça que pendentes ou lustres proporcionam boa fonte de luz direta, ao mesmo tempo em que incrementam a decoração, impactando a atmosfera de cômodos como as salas de estar e de jantar. “Em termos funcionais, o pendente para sala proporciona luz direcionada ou luz de foco, ideal para iluminar o ambiente durante as refeições. Em termos estéticos, a depender do estilo de pendente escolhido, é possível utilizar o acessório de modo a favorecer a decoração por meio de aspectos como textura, tons e formas”, detalha o empresário.

Já as lâmpadas de LED são mais frias se comparadas com as dicróicas ou as halógenas. Consomem menos energia e emitem menos calor no ambiente. Por isso, são consideradas mais sustentáveis do que as outras lâmpadas. “No Brasil, a indústria de LED de qualidade ainda tem o custo bem alto para o consumidor final, bem mais do que as lâmpadas comuns. Porém, a conta deve ser feita a longo prazo, pois a durabilidade da LED é bem maior”, ressalta Couto. Antes de iniciar qualque instalação de luminárias, spots e abajur é importante a verificação da rede elétrica, para que não haja nenhuma incompatibilidade que possa danificar as fontes de luz e o ambiente, a partir de curto-circuitos devido potências erradas.

Atualmente, as fitas de LED são as novas tendências na iluminação, pois são versáteis e podem ser aplicadas em diversos espaços, além de serem discretas e compostas de tecnologia avançada. Mesmo tímidas, possuem uma potência considerável, durabilidade e destacam o ambiente.

Uma vantagem dessas fitas é que são autoadesivas, facilitando a aplicação e oferecendo efeito suave, além de poderem ser aplicadas em cabeceiras, espelhos, embaixo de prateleiras ou armários. Em lugares que apresentam espaço reduzido, as fitas de LED são muito indicadas, pois não ficam evidentes e iluminam de maneira indireta.

Em painéis de TV, essa opção tem excelente efeito, assim como nas sancas, sejam elas baixas ou altas, das salas de estar, garantindo um efeito abrangente, pois contorna todo o espaço. Um diferencial sobre as fitas é que elas apresentam excelente índice de reprodução de cores nos objetos.

Mas, mesmo havendo inúmeras possibilidades a serem exploradas em projetos de iluminação, a dica é não exagerar na mistura dos tipos de fontes nem na quantidade, por exemplo, dos spots. “O ideal é transmitir segurança, algo agradável e confortante. Não se deve abusar na iluminação, pois quebra o clima”, alerta Walter Luiz Moreira Couto.

Efeito da luz em ambientes externos

A ideia de usar a criatividade para conseguir criar ambientes internos aconchegantes, bem iluminados e com economia também serve na hora de projetar as áreas externas. Nos jardins, por exemplo, a iluminação pode dar inúmeras faces no projeto luminotécnico, que garanta segurança essencial para preservar as plantas, que podem ficar ressecadas se receberem muito calor artificial. Nesse caso, é indicada a utilização de lâmpadas de LED, que não esquentam de forma que prejudique o jardim.

Também é bom escolher iluminações mornas, pois emitem sensação de aconchego nas flores e plantas, que refletem e dão efeito morno e sofisticado, além de maior destaque. “A tendência da iluminação em ambientes externos é criar sombras, o efeito selva, popularmente dito, natural, em que o segredo é colocar os pontos de luz entre a vegetação, criando um habitat homogêneo e limpo, ou seja, um ambiente que não aparenta ser artificial”, orienta o proprietário da Relustres.

 



Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados