Desafio concluído

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Marcela Munhoz

Diz a lenda que quando o monge Bodhidharma resolveu passar nove anos em uma caverna meditando, ele achou melhor cortar as pálpebras para que não cochilasse. Após quase uma década, atingiu o sonhado estado de iluminação. O Daruma, boneco verme­lho da foto ao lado, simboliza o monge, sua paciência, perseverança e obstinação para alcançar o objetivo. Quando o amuleto é oferecido de presente, a pessoa deve colorir um olho e pintar o outro quando conseguir o que quer.

E foi assim que o participante do Sob Medida que mais surpreendeu, Nilton Valentin, comemorou as metas alcançadas. Ele passou dos 104 kg para os 86 kg (foram 18 kg dos 15 kg iniciais que pretendia perder), ganhou fôlego para as corridas de rua e precisou renovar o guarda-roupa. “No início do processo, senti misto de indignação e preocupação. Tinha certeza que estava bem, mas fui enquadrado no grupo de alto risco. Resolvi seguir o que foi proposto. Comecei a frequentar a academia e botar em prática as dicas da nutróloga. No fim, diminui de tamanho e aumentei a autoestima”, declara.

Nilton é apenas um dos exemplos de quem conseguiu incluir na rotina hábitos saudáveis, uma das chaves do sucesso, segundo o personal trainer Stefano Pilon. “Nós procuramos fazer as atividades para termos tempo livre e quando estamos com tempo livre acabamos incluindo mais um compromisso, então entramos em ciclo vicioso e esquecemos da saúde. O projeto provou que pequenas mudanças nos hábitos podem trazer resultados positivos. A semente foi plantada dentro de cada participante, agora e só cultivar.”

O nutricionista Tiago Caldeira aponta para outra vantagem do Sob Medida. “Além dos participantes, motivar os leitores é essencial. Mas para isso é importante estar presente, reavaliando se a dieta proposta se encaixou na rotina e, claro, manter o foco”, dá a dica. Para a psicóloga Simone de Souza, se colocar como prioridade é ainda difícil. “Vem sempre o outro na frente, incluindo família, amigos, trabalho. Aos que conseguiram seguir em diante, ficam os meus parabéns pelo empenho e dedicação. Nossa vida é feita de escolhas e eles foram para a melhor opção.” A nutróloga Simone Tirone acredita ainda que os resultados mesmo só apareçam a longo prazo. “Obesidade é crônica e deve ser acompanhada a vida toda. Mas o projeto foi um ótimo início.”

O Sob Medida só foi possível com a ajuda dos profissionais e também com o apoio da academia Betta Fit – Peixinho Dourado, Drogaria Coop e da Toledo do Brasil. “A oportunidade de promover a saúde e o bem-estar das pessoas, dentro e fora do trabalho, e também de co­nscientizá-las sobre a qualidade de vida, traduzem o êxito da parceria”, comenta Rosangela Prado, gerente de negócios Drogaria Coop. “Para a Toledo do Brasil é importante apoiar iniciativas assim e contribuir para vida mais saudável”, finaliza o supervisor do departamento de comunicação com o mercado, Michel Mathias.

OS PARTICIPANTES

 

Wesley Silva

Estou muito satisfeito com o resultado. Perdi 7 kg e continuo a perder. O maior legado do Sob Medida, para mim, foi o de uma melhor alimentação. Algo que considerava 'besteira', me alimentar de três em três horas, hoje já inclui no meu dia a dia. É algo que vou levar para a vida toda. Sei que existem reclamações em todo projeto que envolve bastante gente, mas se somente uma pessoa consegue se dedicar, já valeu a pena.”

Valeria Aparecida

“Hoje posso dizer que estou mais leve. Com a ajuda do projeto aprendi a melhor meus hábitos e a comer corretamente. Ainda falta muito, mas foi uma ótima iniciativa”

Aline Pietri

“O Sob Medida foi o pontapé inicial para meu processo de reeducação alimentar. Durante o projeto, eliminei não só alguns quilos e medidas de meu corpo, como também hábitos inadequados e desregrados de minha rotina. Confesso que não foi fácil mudar o comportamento que vinha mantendo há anos, mas acabei pegando o gosto por diversos alimentos saudáveis que sequer experimentaria no passado. Mesmo com o final do projeto, pretendo permanecer na rotina do Sob Medida para toda a vida”

Claudia Zeber

“Confesso que entrei no projeto com pouca expectativa quanto à minha participação e muito mais incentivada pela participação dos colegas. Foi quando tudo começou a ficar difícil que me desafiei. Queria mostrar para mim mesma que, se quisesse, poderia mudar algo na minha vida. E acho que estou no caminho. Passei a prestar atenção nas minhas atitudes. Entre as mudanças, consigo lidar melhor com o espelho, fico com a consciência pesada quando saio da dieta, aprendi o que devo ou não devo comer, melhorei as dores no joelho, melhorei meu tempo nas corridas. Tenho certeza que posso fazer mais. Fazer diferente. As decisões são minhas e eu tenho controle sobre elas. Não é fácil, mas é possível”

Elisabete Aparecida

“Era uma pessoa muito envergonhada comigo mesma, tinha vergonha do meu corpo. Hoje com ajuda da psicóloga enfrento numa boa."

Francisco Lacerda

“Ao participar do Sob Medida tive a certeza de que a força de vontade realmente 'move montanhas'. Apesar de limitações decorrentes de lesões no joelho, tentei ser mais forte do que as dores e encarei os obstáculos. Ainda não atingi o desejado, mas consegui boa porcentagem. Vou continuar a batalha, porque provei para mim mesmo que posso vencê-la”

Dérek Bittencourt

“Ingressar no Sob Medida foi como me desafiar. As intenções de perder peso e, principalmente, adquirir educação alimentar já eram parte dos planos e o projeto serviu como fósforo para acender o combustível. No começo, tudo lindo. Fui o primeiro a ingressar na academia e dei valor aos conselhos do nutricionista, como não ficar longos períodos sem comer e beber muita água. Não demorei a passar dos 88 kg para 83kg. Hoje, estou com 82 kg, bom peso para quem há um ano estava com 98 kg. Porém, com o passar do tempo eu enfraqueci. Ao menos na parte que se refere à academia. Simplesmente parei de frequentar. Mas no que se refere à alimentação os aprendizados foram muitos e, se eu conseguir manter, serão para sempre. Fica, da minha parte, um gostinho de 'eu falhei' por não ter sido forte o suficiente para seguir exatamente o que foi proposto, mas sem dúvida me sinto feliz pelo resultado físico e psicológico que me trouxe.”

Anderson Fattori

“O Sob Medida surgiu em momento perfeito para mim. Dois meses antes, fiz uma promessa: ou perdia o peso que meu filho estivesse no seu aniversário de um ano ou faria a cirurgia bariátrica, método que psicologicamente não me agrada.Consegui rapidamente atingir mais da metade do objetivo no fim de março. Foi quando apareceram alguns obstáculos que tive de superar. O apoio da psicóloga e nutróloga foram fundamentais. Deu quase tudo certo. Consegui atingir a meta e regredi um pouco nas minhas férias. Mas, o programa me mostrou o que já sabia: não existe dieta para quem está obeso, existe reeducação alimentar. Se eu estou 40, 50 kg acima do peso ideal, foi porque me descuidei nos meus 34 anos de vida. Não será em um ano que vou conseguir eliminar tudo isso. Os resultados têm de ser pequenos e constantes. Um dia chego lá.”

Ricardo Trida

“Comecei com o intuito de sair do sedentarismo e ter uma vida melhor e mais saudavel, para curtir minha filha. Perder peso seria consequência. Mudei muito a forma de comer e o que comer, porém sei que tenho que melhorar. Mas, despertou em mim um corredor que não conhecia. Já se foram cinco provas de rua e tempos sendo superados dia após dia. Não consegui chegar no peso que quero, mas estou me sentindo bem e feliz. São tantos desafios que já estou inscrito para a São Silvestre 2016”

Marcelo Alves

“Só tenho a agradecer as pessoas que tornaram possível esta inciativa. Neste período, procurei absorver o máximo do que foi disponibilizado, a academia e os profissionais e segui o mais fielmente possível as dicas e dietas. Tenho consciência que ainda há muito a fazer e que o estilo de vida saudável é para toda a vida.”

Tauana Marin

“Mudar nossa vida não é tarefa fácil. Não, mesmo. Emagrecer vai além de eliminar quilos. Precisa ser de dentro para fora. Com o projeto, aprendi que, muitas vezes, o excesso de peso reflete os pesos emocionais que carrego nas costas ou no estômago. Por isso, a ajuda psicológica teve papel fundamental. Durante a análise, passei a enxergar os momentos que compenso na comida minhas angústias, medos e frustrações. Faltou um pouco de teimosia para driblar a 'falsa' fome. Faltou derrotar a preguiça para ir à academia. Eu sei, mas não posso encarrar isso como derrota e, sim, como pontapé para seguir adiante e fazer as pazes com o espelho. Pelo menos, agora, sei o que me faz descompensar no momento de me alimentar e consegui incluir coisas no meu cardápio que valem a pena, como os alimentos integrais. Os exames de sangue melhoraram, agora, falta levar os aprendizados para 'fora' do corpo. Um dia de cada vez. E sempre.”

 Marcela Munhoz

"Posso afirmar que estou satisfeita com o Sob Medida. Desde que propus o projeto já sabia que nem todos conseguiriam segui-lo à risca, afinal, é extremamente complicado mudar de vida em apenas quatro meses. Mas, muita gente realmente incorporou os hábitos saudáveis na rotina. Como participante, tentei ao máximo fazer bonito. Vi meu corpo mudar, minha saúde melhorar, mas admito que estou começando a relaxar. É uma lição que deve ser exercitada todos os dias, até o fim da vida. O bacana é que há jeito sim para tudo e, no fim das contas, o máximo de tempo que dedicarmos a nós mesmos é, na verdade, ainda muito pouco. Que esse projeto ganhe asas e chega no lar de cada um dos leitores."   

 




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados