Um passeio pela história do País

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

João Victor Romoli <br> Especial para o Diário

Conhecer Porto Seguro deveria ser quase obrigatório para os brasileiros. Isso porque, além de ser um dos principais pontos turísticos do País, o município baiano revela grande acervo e história única. Museus, igrejas e registros de quando os navegadores portugueses chegaram à região, em 1500, são atrações de um lugar que representa muito bem o Brasil.

Tanto é que a chamada Cidade Alta de Porto deixa os turistas à vontade para mergulharem no passado e se transformar, literalmente, em baianos. No local podem ser vistas referências ao descobrimento do País, ruínas da primeira igreja construída em solo brasileiro e a primeira escola de jesuítas. Muitos deles, aliás, aproveitaram a identificação e ficaram na região, abrindo restaurantes e bares, o que se tornou prática comum.

É normal chegar à Passarela do Álcool – de longe o lugar mais visitado – e encontrar vendedores de outros Estados e até países. O fato simboliza exatamente o lugar, que mistura diferentes povos desde a sua criação. Até por isso, dificilmente uma pessoa não consegue se adaptar e passar longos períodos andando pelo Centro.

Durantes as 24 horas do dia é possível usufruir de comércios, bares, restaurantes e, claro, aproveitar para comprar diversas lembranças para a família e amigos, tradição de quem visita a cidade. A dica é fazer essas tarefas logo nos primeiros dias de viagem, já que Porto conta com muitos lugares a serem visitados. As praias – Taperapuã é a principal –, por exemplo, com águas claras e calmas, trazem paz, enquanto as barracas, com muita música e dança, oferecem agito sem parar. O chamado ‘O Beco’, localizado na própria Passarela do Álcool, pinta como a melhor opção para quem quer esquecer dos problemas e apenas sentir o calor e aconchego de Porto Seguro.

O ponto turístico fica na parte baixa da cidade, onde começa a Avenida Beira-Mar (continuação da BR-367), que segue a orla até Cabrália. Ônibus, a R$ 4,40, aliás, ligam os municípios. Já na parte alta de Porto é onde estão situados o aeroporto e a rodoviária. Se sobrar tempo, com tantos lugares para visitar, deve-se ir até Santa Cruz Cabrália, ou mesmo Prado, Eunápolis, Itabela e Itamaraju, que são municípios limítrofes, além de Trancoso, Arraial D’Ajuda e Santo André, que ficam um pouco mais distantes. Os locais, que podem ser acessados por balsas – experiência única para quem gosta de conhecer as redondezas –, enriquecem ainda mais a região e chamam a atenção para a beleza de Porto Seguro. A diversidade é o ponto que mais diferencia esse combo de opções.

Toda essa história e o entretenimento, aliás, fazem Porto quebrar o paradigma recente de servir apenas para festas de jovens, já que recebe durante o ano todo viagens de formatura. A prática fez com que a cidade perdesse um pouco de seu valor no quesito de ponto turístico e de valorização de todas as gerações. Mas Porto Seguro se apega à sua rica história e se dá ao luxo de permitir ter o rótulo de ‘cidade de formatura’. As turmas de formandos agitam o espaço nos meses de julho e outubro. Em setembro e novembro, porém, o movimento cai, sendo ótimo momento para quem busca encontrar hotéis disponíveis.

Barracas tradicionais e praias de encantar

Axé Moi, Barramares e Tôa Tôa. Provalvelmente, se você já foi a Porto Seguro, esses três nomes ficaram gravados na memória. São enormes barracas integradas à praia mais visitada da cidade: Taperapuã. Fica a sete quilômetros do Centro – com fácil acesso por meio de ônibus – e tornou-se o ponto de encontro de quem procura, literalmente, viver e sentir Porto. Além de shows e músicas o dia todo, o espaço tem pistas para lambaeróbica, humoristas, dançarinos e muita paquera.

A praia é marcada por águas claras e calmas, além de concentrar atividades esportivas (futebol de areia, vôlei) e passeios de caiaque e banana boat, que acontecem diariamente.

Para quem pretende aproveitar a praia ao lado dos familiares, a melhor opção é Mundaí, que tem águas tranquilas e ótima estrutura de barracas.

E há opções também para os visitantes que preferem praias sem tanta badalação. São os casos de Mutá, a dez quilômetros do Centro de Porto Seguro, e Coroa Vermelha, que fica a 14, já em Santa Cruz Cabrália. As barracas nos locais não tocam música regional e as praias apresentam bonitos recortes, além de águas claras e faixas estreitas de areia.

Já em Trancoso está localiza a Praia do Espelho, considerada por muitos turistas uma das mais bonitas do Brasil. Nas marés baixas, ela reflete o céu de jeito único. As falésias branca e vermelha são atrações. O acesso, porém, não é dos mais fáceis. O mais indicado é fechar o passeio para evitar prejuízo e transtornos. É possível negociar com hotéis, que levam os turistas em vans. Investimento que, com certeza, valerá a pena, já que a praia é perfeita para registrar recordações para toda a vida. Águas limpas, sol e tranquilidade descrevem o espaço, que se destaca por ser ótimo para as crianças brincarem.

Próximo ao local, aliás, é possível encontrar a Praia dos Nativos – é exatamente onde o rio, que leva o nome, deságua. A orla é bem trabalhada, com coqueiros e muitas casas de veraneio na costa. A badalação toma conta do local, que tem shows e DJs tocando em ocasiões especiais. O destaque da praia é a areia fofa, que atrai maior fluxo de turistas em relação às demais.

Passarela do Álcool é ponto de encontro dos visitantes

Se existe um lugar que pode ser considerado o símbolo de Porto Seguro para os turistas, sejam eles brasileiros ou estrangeiros, é a Passarela do Descobrimento, mais conhecida como Passarela do Álcool. Localizada na região central, é ponto de encontro dos visitantes, com diversas atrações. Bares, restaurantes e lojas de artesanato dominam o cenário, animado ainda por rodas de capoeira, toque de berimbau e barracas, que chamam atenção das pessoas com a variedade de lembranças referentes à cidade.

Devido às suas características, a passarela se torna o melhor lugar para o turista se sentir baiano e degustar um pouco da culinária da cidade – acarajé, cocada, tapioca e aroma da pimenta –, além de diversos frutos do mar. Os restaurantes se concentram em antigos armazéns, casas de pescadores e casarios coloniais.

O público tem à disposição muitas opções no local, que vive cheio até em dias normais. Por volta das 22h, o costume é seguir para a balada, que ocorre em diferentes lugares, ao ritmo de sertanejos eletrônicos e forró, além do típico axé. Ainda há luaus que reúnem dançarinos e diversos turistas.

No fim da passarela, é possível avistar uma travessa, conhecida como ‘O Beco’, onde as pessoas encontram o sossego. Bares e restaurantes mais confortáveis, em ambiente mais tranquilo, chamam atenção e fazem o visitante esquecer o tempo e os compromissos. Esse é o lugar mais propício para quem quer simplesmente relaxar, não utilizar celular e, apenas, ter boa conversa com amigos e familiares.

Cidade Alta revela atrações variadas e dignas de registro

O sítio histórico da Cidade Alta de Porto Seguro é com certeza um dos maiores acervos do País. É onde ficam prédios referências da época de colonização, que podem ser visitados em qualquer hora do dia. Se for à noite, porém, o efeito de iluminação é garantido.

O destaque do lugar é a Igreja Matriz Nossa Senhora da Pena, construída em 1535 pelos portugueses, que guarda imagens sagradas de São Francisco de Assis e da própria Nossa Senhora da Pena, padroeira da cidade. Ainda é possível ler cartas escritas por Manuel da Nóbrega ou por José de Anchieta, padres da Companhia de Jesus, sobre a região.

O passeio pelo local, porém, pode ter início no chamado Marco do Descobrimento, que tem ótima paisagem do litoral de Porto Seguro. De um lado do Marco está esculpida a Cruz da Ordem de Avis e, do outro, o brasão de armas de Portugal, simbolizando o poder da coroa.

O currículo da cidade histórica é tão grande que, mais à frente, é possível ver o Paço Municipal ou Casa de Câmara e Cadeia, onde funciona o Museu do Descobrimento, e a Igreja da Misericórdia – destaque para imagens barrocas, como a do Senhor dos Passos e a do Cristo crucificado –, além da Igreja de São Benedito, que fica ao lado das ruínas da antiga residência e colégio dos jesuítas, construída em 1551, e antes conhecida como São Pedro e Nossa Senhora do Rosário. O acesso se dá pela estrada do aeroporto até o Trevo do Cabral, virando à esquerda.
 




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2018. Todos os direitos reservados